T E X T O  P E D R O  B O T T O N
I M A G E N S  H A N N A H  U E S U G I  &  P E D R O  B O T T O N
O ACRE EXISTE é o terceiro título publicado pela Editora Canhoto, e o primeiro livro do jornalista Paulo Silva Junior.
R E E D I Ç Ã O
O livro O Acre Existe é fruto de uma viagem que Paulo Silva Junior fez com mais três amigos a fim de realizar um documentário sobre o estado que menos conheciam do Brasil. Durante a montagem do longa-metragem, Paulo percebeu que muita coisa que eles viram do Acre ficaria fora do filme, e que também havia uma outra linguagem para contar o que se passou naqueles dez mil quilômetros entre pegar a estrada, sair de São Paulo, chegar no Acre, conhecer a fundo o estado e voltar.
O livro foi finalizado quase simultaneamente ao filme, e ambos foram lançados no segundo semestre de 2013. Com tiragem de 500 unidades, em pouco mais de um ano o livro já havia esgotado. Justamente nesse ano eu conheci Paulo através de um outro projeto, o jornal O Cícero, e surgiu a ideia de relançarmos o livro, agora pela Editora Canhoto, dado que a primeira edição havia saído sem editora, ou, como se costuma dizer, "em edição do autor".
P R O J E T O  G R Á F I C O
O projeto gráfico foi feito com base nessa premissa: uma edição econômica em páginas e tamanho. Com margens moderadas — 15mm nas margens superiores, internas e externas, e 20mm para as margens inferiores — e entrelinhas de 5mm, o livro diminuiu 50 páginas da primeira para a segunda edição. Usando um papel mais fino e um formato um pouco mais estreito, criamos uma versão, como se costuma dizer, “de bolso”.
Como os outros dois títulos da Canhoto, o miolo é todo impresso apenas na cor preta, porém para este projeto sentimos a necessidade de inserir na capa o verde da Floresta Amazônica.
C A P A
A capa apresenta um mapa da América do Sul sem divisões políticas, e o continente é representado como uma grande massa em que a terra é branca e o mar (ou a ausência de terra) é preto. A partir dessa representação, o estado do Acre aparece em preto, ou seja, como que ausente do continente, e se relacionando com a piada velha de que o Acre não existe.
A principal intenção com esse mapa era mostrar a relação do Acre com toda a América Latina, em contraposição da imagem mais comum que nós, brasileiros, temos dele: como um pedaço do Brasil. Isso porque, através da leitura do livro, percebi o quanto o Acre é importante para a região, como o estado é uma ligação direta do Brasil com o Peru e com a Bolívia e também com toda a América Latina.
Esse mapa mostra bem como o Acre pode estar na extremidade do Brasil mas, na verdade, se encontra no coração da América do Sul.
Acompanhando a ilustração, aparece o título do livro e o nome do autor aplicados em verde na fonte Lombok. Escolhi essa fonte pois enxerguei nela uma relação estética com as animações que aparecem no documentário O Acre Existe, sendo que as animações, por sua vez, têm inspiração nos cortes paralelos que os seringueiros fazem nas árvores para extrair o látex que é matéria prima da borracha, atividade fundamental do estado.
Na segunda capa, escolhi apresentar o desenho de estudo para o pôster do filme. Feito pelo grafiteiro Tiago Tosh, ele aparece ali porque, além de ser muito bonito, causa alguma estranheza em relação ao projeto gráfico sóbrio e, de certa forma, anuncia a embolada de cores e pessoas que o livro conta.
M I O L O
No miolo utilizei a fonte Garamond Premier para o texto, e a Galano Grotesque — com diferentes pesos de acordo com a hierarquia da informação — para os destaques.
Ainda que não seja muito ortodoxo misturar três fontes em um único livro, escolhi fazer assim pelo fato da tipografia usada na capa, a Lombok, ter sua gama de caracteres bastante limitada, como, por exemplo, não apresentar cê cedilhado ou til. A Galano Grotesque surgiu como uma fonte que se relaciona bem com a Lombok e é muito mais completa, além de ter um desenho mais ordenado, o que a torna muito mais agradável para os títulos de capítulo, números de páginas e alguns subtítulos que aparecem pelo livro.
R E S U L T A D O
O resultado agradou muito a Editora Canhoto e o autor especialmente por ter se tornado muito distinto da edição original.
Com isso não quero dizer que a edição original seja feia — pelo contrário, ela é muito bonita. Feita pela baita designer Bianca Oliveira, da Editora Elefante, ela é inclusive muito mais caprichada e vistosa do que o livro que apresento aqui.
No entanto, a primeira edição definitivamente não era um livro de bolso, e uma viagem tão longa como foi a daqueles quatro caras pro Acre merecia uma edição que coubesse no bolso de trás.
F I C H A  T É C N I C A
EDITORA CANHOTO   TEXTO PAULO SILVA JUNIOR   PROJETO GRÁFICO PEDRO BOTTON
FONTES LOMBOK, GALANO GROTESQUE E GARAMOND PREMIER   FORMATO FECHADO 120X200MM IMPRESSÃO FORMA CERTA   MÉTODO DIGITAL HP INDIGO 4X4 CORES NA CAPA E 1X1 COR NO MIOLO
papéis OFFSET 180G/M² E PÓLEN SOFT 80G/M²   PÁGINAS 256   ANO 2016

OUTROS ARQUIVOS

Back to Top