T E X T O  H A N N A H  U E S U G I
I M A G E N s  H A N N A H  U E S U G I  &  P e d r o  b o t t o n  
A.MAR: VERBO INDEFINIDO é o primeiro livro de poesias de Gustavo Nagib — amigo, poeta, geógrafo e ator —, e marca a chegada às livrarias da Mini Editora, que até então se dedicava a livros de tiragem reduzida e com circulação restrita ao mercado editorial independente.
E D I Ç Ã O
O livro número 10 da Mini Editora nasceu da confiança e da cumplicidade entre o autor e a editora que vos fala. Eu já conhecia o talento poético do Gustavo, e ele já namorava os livros da Mini há algum tempo. 
Certo dia o Guga me procurou com um original em mãos e diversas insatisfações em relação a propostas recebidas de outras casas de maior prestígio e circulação. Decidimos, então, nos unir para realizar um projeto de menor alcance de público, porém mais participativo e respeitoso com o trabalho de cada parte envolvida. Buscando não só uma divisão mais justa dos custos e lucros, mas também liberdade de criação e autonomia na tomada de decisões referentes à produção do livro.
A experiência foi inédita para mim. Até então eu só havia lançado títulos de minha própria autoria sob o selo da Mini. Comecei pelo trabalho de edição dos poemas, em que me foi dada total liberdade para cortar, acrescentar, organizar e selecionar, por fim, as 40 poesias que comporiam a obra.
A S  C O R E S
Já nas primeiras leituras que fiz do original reconheci cores na escrita do Guga. Ia anotando em cada página as que me vinham à mente ao longo da leitura, e, ao final, após um levantamento dessa paleta sinestésica, acabei reduzindo as sensações a três cores básicas: vermelho, azul e cinza.
Essa escolha cromática agrupou os poemas em três partes bem definidas, e norteou o projeto gráfico a partir de então.
P R O J E T O  G R Á F I C O
Junto com a ideia de produzir um livro colorido e único dentro do catálogo predominantemente monocromático da Mini, havia também o desejo de integrá-lo à linha estética dos livros artesanais lançados até então.
Para isso, a primeira diretriz adotada durante o projeto gráfico disse respeito à simplicidade dos materiais. Mesmo tendo sido impresso em processo industrial, o papel sem revestimento e a costura aparente na lombada explicitavam o desejo de tornar o acabamento do livro tão simples quanto possível. 
A diagramação também seguiu pelo mesmo caminho. A fonte Dante foi adotada com exclusividade tanto no miolo quanto na capa — variando apenas entre regular, bold e itálica — e os blocos de texto ao longo das páginas foram centralizados vertical e horizontalmente de modo que cada poema configurasse um desenho branco de palavras sobre a cor intensa e sólida de cada uma das três partes do livro. A cor deveria ser o elemento mais importante da página.
Na capa, o título do livro virou verbete e cada um dos poemas se transformou em um significado, sendo numerados um a um assim como nos dicionários. Desta forma, o índice foi parar na capa reafirmando a sua simplicidade de ser nada mais do que a primeira página do miolo.
O toque manual final ficou por conta do adesivo colado na lateral para abrigar o título na lombada, recurso também bastante simples e original que resolveu o problema da falta de identificação do livro na estante.
I M P R E S S Ã O
Devido à tiragem relativamente grande desejada pelo autor — 2000 exemplares — este foi o primeiro projeto da editora que utilizou processos industriais de impressão e acabamento.
O método escolhido foi o offset e, a partir das particularidades deste tipo de impressão, foram tomadas decisões de projeto que buscaram a redução dos custos na gráfica sem que a qualidade do livro ficasse comprometida.
A primeira delas foi em relação ao formato que é bastante tradicional e econômico do ponto de vista do aproveitamento do papel.
A segunda foi referente a escolha do tipo de papel, que apesar de um pouco mais gramado que os convencionais, é comum e barato. Além disso, o fato de ser um livro constituído apenas de miolo, sem capa, também colaborou para a economia nas etapas de impressão e acabamento.
A última, e mais importante de todas, disse respeito às cores. O miolo — que tem 48 páginas no total — foi dividido em três cadernos de 16 páginas cada: um totalmente e exclusivamente impresso em pantone vermelho (red 032 U), outro totalmente e exclusivamente impresso em pantone azul (blue 072 U) e outro totalmente e exclusivamente impresso em pantone cinza (warm gray 5 U). Desta forma, cada folha passou apenas por uma mesma cor na frente e no verso, o que economizou na gravação das chapas e simplificou a impressão, reduzindo significativamente os custos sem a necessidade de abrir mão do uso luxuoso das cores especiais.
D I V U L G A Ç Ã O
Para o lançamento do livro foram realizados eventos para os quais desenvolvemos peças de divulgação para circulação na internet. Você pode vê-las aqui.
F I C H A  T É C N I C A
editora MINI EDITORA   texto Gustavo Nagib   projeto gráfico Hannah Uesugi
revisão de texto Viviani Xanthakos   fonte DANTE   formato fechado 14x20,3cm
impressÃo PANCROM   método Offset 1x1 cor por caderno   papel Offset 150g/m²
páginas 48   tiragem 2000 exemplares   ano 2015

OUTROS ARQUIVOS

Back to Top